São José Oriol

Grande taumaturgo de Barcelona – Os elementos lhe obedeciam e, à sua voz, as doenças mais renitentes desapareciam. Possuía também o dom da profecia e lia os corações

São José Oriol1

Nascimento e infância

Foi num pobre lar de Barcelona, na Espanha, que José Oriol nasceu em novembro de 1650. Aos 18 meses perdeu o pai, e sua mãe voltou a casar-se com um honrado e piedoso sapateiro, que adotou o pequeno órfão como seu próprio filho.

Os capelães de Santa Maria del Mar cuidaram da educação do menino, que, além de acolitar as Missas, era encarregado também da manutenção dos altares. O pequeno José desincumbia-se desses encargos com tanta piedade e espírito sobrenatural, que seus benfeitores reconheceram nele a vocação sacerdotal. Incumbiram-se de encaminhá-lo à Universidade de Barcelona para os estudos prévios à ordenação sacerdotal.

Entrementes, sua mãe, pela segunda vez viúva, caíra na miséria e não podia arcar com nenhuma despesa do filho. Foi sua ama e madrinha quem, embora também muito pobre, ofereceu-lhe um pequeno quarto para morar, sacrificando-se para ajudar a prosseguir seus estudos aquele adolescente, a quem amava como a um filho.

Aluno exemplar, José fez tão rápidos progressos nos estudos como já fizera na virtude.

 Milagre prova inocência de José

Um acontecimento veio mostrar como a Providência protegia o jovem universitário. Tendo seu padrinho, por motivos fúteis, suspeitado de sua boa conduta, José, que disso tomou conhecimento por uma ajuda sobrenatural, quis provar sua inocência. Depois de negar o deslize de que era acusado, tomando a Deus como testemunha, pôs a mão sobre o fogo e a deixou até que o padrinho, arrependido de seu juízo temerário, pediu-lhe perdão. A mão nada sofrera.

Aos 23 anos, José recebeu o título de doutor e foi ordenado sacerdote.

Austeridade do “Doutor pão e água”

Para socorrer a pobreza de sua mãe, José entrou como preceptor em uma nobre e rica família. Sua vida exemplar e penitente logo lhe granjeou a estima de todos. Sua austeridade era tal que ele jejuava todos os dias a pão e água. Evidentemente, isso logo transpirou pelas ruas de Barcelona, e o povo lhe deu o epíteto de Doutor pão e água. Dominou de tal maneira o sono, que dormia apenas duas horas por noite, e assim mesmo sentado numa cadeira. Suas disciplinas eram tão rudes, que se ouviam em quase toda a casa os golpes que se aplicava.

Em 1686, perdeu sua virtuosa mãe. Vendo-se livre da obrigação de alimentá-la, partiu em peregrinação para Roma, sempre a pé e pedindo o alimento como esmola. Na Cidade Eterna visitou com devoção as relíquias por vários meses, e obteve do papa, bem-aventurado Inocêncio XI, um benefício eclesiástico na igreja de Nossa Senhora do Pinho, em Barcelona. Este permitir-lhe-ia viver sem preocupação pelo futuro, ao mesmo tempo que lhe proporcionava meios para satisfazer sua grande caridade em relação aos pobres.

Os beneficiados dessa igreja viviam em comunidade. Ao Pe. José coube logo o encargo de enfermeiro. Fez sua morada num estreito desvão, no qual colocou apenas um Crucifixo, uma mesa, uma cadeira, alguns livros, e um baú para sua roupa. Tudo o que ele recebia na igreja ia diretamente para os pobres, que logo descobriram o dia e o esperavam em fila diante do templo. Para satisfazer sua grande caridade, a Providência muitas vezes multiplicava o dinheiro em suas mãos.

Socorrido pela Providência na perseguição

Com um dom especial para dirigir almas, um número crescente de pessoas de todas as condições sociais colocou-se sob sua direção. E muitos queriam emular com o mestre no rigor de suas penitências.

Como sempre acontece com aqueles que desejam levar uma vida de perfeição, acenderam-se contra ele as invejas e perseguições dos maus. A exemplo de Nosso Senhor, foi ele odiado porque fazia o bem. Por isso, desencadeou-se uma surda campanha contra o santo confessor, e os rumores chegaram ao conhecimento do Bispo da cidade. Afirmavam que o Pe. José era imoderado em suas penitências e imprudente na sugestão de mortificações. O Prelado, sem muita análise e de modo temerário, foi logo suspendendo-lhe a faculdade de ouvir confissões e dirigir almas.

“Não será por muito tempo” – afirmou profeticamente o Pe. José ao saber da medida tomada pelo Bispo. E, com efeito, seja por castigo divino ou outra causa, a morte levou em breve o Prelado. E seu substituto – talvez por ter-se melhor informado, talvez por medo do que acontecera com seu antecessor, ou mesmo por virtude – praticou o ato de justiça de devolver a José as licenças retiradas.

Vendo muitos meninos expostos aos maiores perigos nas ruas da cidade, José passou a ir ao encalço deles, levando-os para a igreja e ensinando-lhes o catecismo. Os soldados também foram objeto de sua caridade, e os atraía pela doçura e afeição.

Zelo missionário e desejo do martírio

Entretanto, o zelo do Pe. José era demasiado grande para se circunscrever aos limites de Nossa Senhora do Pinho. Logo começou a pensar nas missões e na conversão dos infiéis. Desejava derramar seu sangue pela fé em terras ignotas.

Assim, um dia, sem dizer nada a ninguém, partiu a caminho de Roma para colocar-se à disposição da Congregação da Propaganda Fidei, encarregada das missões. Mas, ao chegar a Marselha (na França), foi acometido de violenta moléstia que pôs em risco sua vida. Apareceu-lhe então a Virgem Santíssima, que lhe restituiu a saúde e disse-lhe que Deus estava contente com seu sacrifício. Mas queria que ele voltasse a Barcelona, que era seu campo de missão, e se dedicasse a cuidar dos doentes. Nessa ocasião contava ele 47 anos.

Enorme reputação do  grande taumaturgo

Na viagem de volta, em determinado momento o mar tornou-se tão furioso, que todos no navio julgaram chegada sua última hora. O Pe. José foi ao tombadilho e estendeu as mãos sobre as águas revoltas, as quais se amainaram, permitindo então uma rápida e feliz viagem.

O reaparecimento do santo sacerdote secular na igreja Nossa Senhora do Pinho provocou manifestações de alegria de todos, especialmente dos pobres, seus beneficiados. Começa então o período dos grandes milagres do Santo, tão numerosos que, segundo um de seus biógrafos, para narrá-los todos seria necessário um livro.

A fama dos milagres que operou nos enfermos logo ultrapassou os limites de Barcelona e da Catalunha, difundindo-se por toda a Espanha. De inúmeras regiões traziam-lhe doentes para que lhes impusesse as mãos e os curasse. O Santo sempre recomendava aos enfermos que rezassem diariamente três Padre-nossos, três Ave-Marias e três Glórias. Como lia os corações, se percebia que o doente estava em estado de pecado, convidava-o secretamente a reconciliar-se com Deus e a voltar outro dia. Seu amor às almas e seu horror ao pecado eram maiores que seu desejo de aliviar as dificuldades materiais.

Sua notoriedade tomou tal vulto, que seu confessor o proibiu de curar na igreja, devido ao grande tumulto que faziam os enfermos antes e depois de curados. Mas Deus tinha seus caminhos, e pouco depois o mesmo confessor caiu e quebrou uma perna. Foi procurar seu penitente na igreja, pedindo-lhe sua cura que, obtida, provocou também a suspensão da ordem dada.

“Bendita a mãe que um dia te amamentou”

Um fato encantador sucedeu com o Santo, certo dia em que saiu da cidade para visitar enfermos. Tendo que atravessar o rio Bésos, estava  caminhando milagrosamente sobre a superfície da água quando ouviu tocar o Angelus. Não teve dúvidas: ajoelhou-se sobre o lençol líquido e rezou devotamente essa oração.

O Santo empregava mil meios para esconder seus milagres e atribuí-los ora à fé dos doentes, ora à misericórdia de Deus. Mas, um dia, certa mulher, no auge da admiração, exclamou:“Bendita a mãe que um dia te amamentou”. Ora, os invejosos da graça fraterna estão por toda parte. Uma pessoa que ouviu tal exclamação escandalizou-se e repreendeu a mulher. Mal havia acabado de repreendê-la, quando sentiu seus braços paralisados. E teve que ir implorar humildemente ao Santo que lhe restituísse os movimentos.

Previsão de perseguições à Igreja

Ao dom de milagres, São José Oriol unia o da profecia. Assim, anunciou com precisão as terríveis perseguições que a Igreja sofreria no final do século XVIII. Predisse também a data de sua morte.

Sabendo que seus dias estavam contados, e querendo morrer pobre como vivera, foi à casa de um amigo, a quem pediu que lhe preparasse um leito, luxo de que se privara havia 25 anos. Pouco depois, sentiu-se repentinamente doente. Era o dia 8 de março de 1702.

A notícia correu célere por toda Barcelona, provocando grande consternação. Alguns vinham saber notícias suas, outros ofereciam-lhe meios para um tratamento curativo, outros procuravam-no somente para vê-lo. O Santo esforçava-se por consolar os que via chorar, prometendo-lhes que não lhes faltaria depois da morte.

A 22 de março, recebeu com júbilo e devoção os últimos Sacramentos, preparando-se para a última viagem. No dia seguinte, pediu aos meninos da capelania da igreja Nossa Senhora do Pinho que lhe cantassem o Stabat Mater. São José Oriol seguiu o cântico com grande devoção, interrompendo-o com exclamações de amor a Deus e a Nossa Senhora. Em determinado momento, olhou fixamente seu Crucifixo e entregou a alma a Deus. Era o dia 23 de março de 1702. Contava ele apenas 52 anos de idade.

São José Oriol foi beatificado pelo Papa Pio VII, em 15 de maio de 1806, e canonizado por São Pio X, em 20 de maio de 1909, festa da Ascensão.

Reflexão

Feliz o homem que domina suas vontades com sacrifício e muita luta. São José foi dessas almas, tão raras hoje em dia, que usava de austeridade pra dominar os desejos da carne. Enquanto de um lado o corpo desejava os prazeres momentâneos, do outro, sua alma deseja somente o gozo eterno do céu.

O resultado de uma vida regrada e de muitas lutas, foi a manifestação do poder de Deus através de inúmeros milagres e prodígios, que o santo fazia todo esforço pra esconder ou, na sua extrema humildade, atribuir a fé do povo. Sua vida santa foi de uma entrega total à sua missão e ao seu ministério, tendo sempre confiança total na misericórdia de Deus e na proteção de Nossa Senhora. São José Oriol, rogai por nós. Amém!

Fonte:

http://www.catolicismo.com.br/materia/materia.cfm?IDmat=4816068F-3048-560B-1C5151C156ABE91D&mes=Mar%C3%A7o2003

Grifos nossos

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: