São Gregório II

O maior entre os grandes papas do século VIII – Defendeu o culto às imagens e aos santos, contra o imperador bizantino iconoclasta Leão Isáurico e promoveu a evangelização da Germânia

São Gregorio II 1 

Infância e mocidade

Filho de Marcelo e Honesta, do patriciado romano, Gregório foi iniciado desde cedo na prática dos negócios eclesiásticos. Tendo entrado na Ordem beneditina, foi sucessivamente subdiácono, capelão do palácio pontifício, bibliotecário e esmoler da igreja romana.

A Santa Igreja passava por um período de provação. De 687 a 701, o papado fora perturbado pelo duplo cisma dos antipapas Pascal (de 687 a 692) e Teodoro (687). Teria de enfrentar ainda a grande investida iconoclasta do imperador do Oriente, e para isso a barca de Pedro precisava ter no seu timão um homem enérgico e destemido. Esse homem foi Gregório II.

Com firmeza de caráter e superior inteligência, foi escolhido pelo Papa Constantino para acompanhá-lo a Constantinopla, quando ainda era apenas diácono, a fim de discutir com o imperador Justiniano II os cânones do concílio de Trullo, de 692. O imperador quis pôr à prova o jovem diácono, com perguntas capciosas de teologia, e afirmam os biógrafos que, por suas admiráveis respostas”, Gregório resolveu todas as dificuldades levantadas; e explicou-lhe ainda as irregularidades havidas durante o mencionado concílio.

Terminava com essa missão diplomática delicada o seu tempo de formação, e estava pronto para a grande missão de sua vida. No dia 19 de março de 715, subiu ao trono pontifício em meio às aclamações do povo e do clero, que já o estimavam e dele esperavam grandes coisas.

Empenho na evangelização da Germânia

Uma das grandes determinações do novo pontífice foi dar continuação ao apostolado inaugurado por São Gregório Magno para a conversão dos povos bárbaros, ainda pagãos. Ele queria, aplicando uma disciplina cristã, dar formação àqueles povos errantes e sempre perigosos para o mundo latino. Outra de suas grandes preocupações eram as relações entre a Santa Sé e o império de Bizâncio, onde habitualmente a heresia encontrava abrigo. A escolha do Papa era então dependente em parte do imperador bizantino, que confirmava a eleição pontifícia. São Gregório tinha ainda que prover materialmente Roma, muito provada pelos ataques dos bárbaros e dos lombardos.

Providência muito premente era fortificar a cidade contra um possível ataque dos sarracenos, com domínio crescente sobre o Mediterrâneo. Iniciou esta medida com sucesso, mas quando as muralhas da cidade estavam sendo reforçadas, vários fatores o impediram de concluí-la, inclusive uma inundação do Tibre.

Trabalhando simultaneamente em várias frentes, planejou implantar a cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo além das fronteiras do Danúbio, aonde jamais tinham chegado as águias romanas. Enviou para a Baviera São Corbivian; para as florestas do Hesse e da Turíngia, o monge inglês Winfrid, que se tornou o evangelizador da Alemanha, mais conhecido como São Bonifácio. Bonifácio voltou em 722 a Roma, para ser sagrado bispo. O Papa solicitou então o auxílio de Carlos Martel, rei dos francos, para secundar o seu trabalho, e assim foi legitimamente posta a força a serviço da Religião.

A epístola 27, que São Gregório enviou a São Bonifácio em 22 de novembro de 726, contém diretrizes detalhadas de como agir em relação aos neo-convertidos; e orienta de maneira firme sobre os problemas de moral, doutrina, liturgia e pastoral. Sobre os padres indignos, que por falta de preparação mais acurada e de vida espiritual séria se haviam deixado contaminar pelo paganismo reinante, ele determina: “Quando eles não forem formalmente hereges, é-vos permitido comer ou falar com eles. Mas deveis, usando a autoridade apostólica, adverti-los, repreendê-los; e, se possível, trazê-los de volta à pureza da disciplina eclesiástica. […] Observareis a mesma regra em relação aos grandes que vos prestam auxílio”.

O combate contra os iconoclastas

O imperador do Oriente, Leão III Isáurico, era oriundo de uma família muito humilde, mas fora galgando posições importantes devido à sua bravura e habilidade, chegando ao cobiçado trono de Bizâncio. Esse imperador-soldado salvou a Cristandade por duas vezes, ao derrotar os muçulmanos em 718 e 740. Entretanto, quis legislar também em matéria eclesiástica. Em dois editos – um de 726, outro de 728 – proibiu o culto das imagens religiosas, a veneração das relíquias dos santos, e mesmo que a eles se rezasse. Isso provocou uma onda de revoltas em todo o império. Medidas financeiras de 725 já tinham provocado resistência, principalmente nas províncias italianas do império, que nisto secundaram a oposição do Pontífice romano ao imperador. Quando foi publicado o edito sobre as imagens, a insurreição foi geral.

O imperador quis ganhar para sua causa o Patriarca de Constantinopla, São Germano, mas este resistiu a todas as tentativas, inclusive advertindo-o: “Lembrai-vos de que, em vossa coroação, jurastes nada modificar na tradição da Igreja”. O Patriarca foi deposto e mandado para o exílio em 730, e em seu lugar foi colocado o bispo iconoclasta Anastácio. No exílio, onde faleceu em 733 aos 95 anos de idade, o Santo repetia frequentemente conforme São João Crisóstomo:“Ainda que eu devesse morrer mil vezes por dia, e mesmo sofrer o inferno durante algum tempo, eu olharia isso tudo como nada, contanto que eu veja a Jesus Cristo em sua glória”.

O Papa protestou energicamente contra a deposição de São Germano e excomungou Anastácio, sublinhando a ignorância imperial. Intransigente na doutrina, soube manter na obediência o exarcado de Ravena (uma espécie de vice-reinado do império Bizantino) e as populações de Roma, revoltadas contra o imperador. Com relação ao culto dos santos, distinguia entre o de adoração, que só se presta a Deus, e o de conveniência, que se aplica aos santos.

Começou então em todo o império a guerra contra as imagens. Como uma horda de vândalos, os iconoclastas invadiram igrejas, conventos e até casas particulares, destruindo as imagens religiosas e massacrando quem as quisesse defender. O próprio imperador confiscou em seu proveito grande número de estátuas de ouro e prata, vasos preciosos que serviam ao culto dos santos, pedrarias que ornavam os mantos de várias imagens da Virgem, chegando a destruir um grande crucifixo de bronze que Constantino, o Grande, havia colocado no pórtico do palácio imperial.

Resistência à investida do imperador iconoclasta

Gregório II escreveu várias cartas enérgicas ao imperador iconoclasta, numa das quais diz: “O que são nossas igrejas senão obras das mãos dos homens, senão pedras, madeira, cal e estuque? O que nelas há de ornamento são as pinturas que nos representam as histórias de Jesus Cristo e dos Santos. Dizeis que adoramos as paredes, pedras e tábuas. Só a ignorância pode induzir-vos a crer em semelhantes coisas, pois formamos as imagens somente para recordar aqueles cujos nomes tais objetos levam, e cujas figuras representam para nós, a fim de levantar para o alto nosso ânimo grosseiro e pesado”.

Leão Isáurico ameaçou enviar homens a Roma para fazer em pedaços a imagem de São Pedro e levar o Papa encadeado para Constantinopla. O Pontífice contestou: “Sabei que os Papas são os medianeiros e pacificadores entre o Oriente e o Ocidente, e não temem vossas ameaças. A uma milha de Roma, na Campanha, estamos em segurança. Todos os povos do Ocidente olham com crescente reverência para aquele cuja imagem ameaçais derrubar. Quereis jactanciosamente destruir São Pedro, ao qual todos os reinos do Ocidente consideram como Vigário de Deus na Terra. Enviai vossa gente. Somos inocentes do sangue que se derramará, o qual recairá sobre vossa cabeça”. Aludindo a uma frase contida na carta que o imperador lhe enviara – “Eu sou imperador e sacerdote” – o Papa insiste na clássica distinção entre os dois campos de atuação: Os dogmas não dizem respeito aos imperadores, mas aos Pontífices, porque temos o espírito de Jesus Cristo. Uma é a constituição da Igreja, outra a do século”.

Apesar dos atentados de oficiais gregos contra sua vida, o Papa continuou opondo-se às taxas ilegais e à interferência imperial no domínio eclesiástico.

Início dos Estados Pontifícios

Presenciando essas desavenças entre o poder papal e o imperial, Liutprando, rei dos lombardos, creu ser o momento oportuno para estender seu domínio na Itália central. Dominou Ravena, as cidades da Pentápole, e avançou até Sutri, ameaçando o ducado de Roma. Mas as preces do Pontífice o fizeram parar. Como novo São Leão Magno, o Papa fez ver ao conquistador que a queda de Roma seria a queda da Cristandade; e que os sarracenos rejubilar-se-iam com esse desastre, ainda mais que o imperador de Bizâncio.

Liutprando entrou então na basílica do Vaticano, despojou-se dos trajes reais e os depositou sobre os túmulos dos Apóstolos, com sua coroa e sua espada; e fez a doação aos Apóstolos Pedro e Paulo, na pessoa do Papa, das possessões por ele tomadas. Era o início dos Estados Pontifícios, resolvendo uma necessidade de então, pois o Pai comum da Cristandade não podia, para defender a realização de sua missão, confiar inteiramente nos azares e inconstâncias de uma proteção alheia.

São Gregório II faleceu em 11 de fevereiro de 731 e foi sepultado na basílica vaticana. Comemoramos sua festa a 13 de fevereiro.

Reflexão

Desde os primeiros tempos, o cristianismo venerou as imagens de Cristo, da Virgem e dos santos. Esta maneira, típica do Oriente, de expressar a religiosidade chegou e se difundiu por todo o Ocidente a partir dos séculos VI e VII. A seita iconoclasta não entendia o culto como legítimo, baseando-se no Antigo Testamento e também porque numa imagem de Cristo não se pode representar as suas duas naturezas: terrena e divina, que são inseparáveis. Mas, a legitimidade foi comprovada através dos argumentos da Sagrada Escritura e essencialmente do fato da própria encarnação.

O papa Gregório II sabia unir sua fé inabalável com as aptidões inatas de administrador e diplomata. Administrou seu rebanho com generosidade e sabedoria, consolidando a posição da Igreja no cenário político e religioso. Incentivou a vida monástica e expulsou a seita dos iconoclastas, antes de falecer no dia 11 fevereiro de 731. A Igreja sempre condenou a idolatria com rigidez como reza o Evangelho, por isto mesmo, nunca prestou adoração a imagem alguma. O culto tradicional de veneração sim, pois nele não se adora uma imagem, este ato é dirigido à memória e à lembrança, daqueles que ela resgata e reproduz. São Gregório II – Papa… Rogai por nós! Amém.

Fonte:

http://www.catolicismo.com.br/materia/materia.cfm/idmat/FD36A63A-3048-313C-2EDEB8F7A6AB2EDF/mes/Fevereiro2011

http://prestservi.com.br/diaconoalfredo/santos/index.htm

Grifos Nossos

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: