São Conrado Confalonieri

São Conrado Confalonieri2

Contexto histórico

Nosso contexto histórico são os séculos XIII e XIV. A igreja pregava que o desprendimento em relação às riquezas era o caminho mais fácil para se alcançar a salvação.

A produção agrícola estava caindo e já não atendia à demanda das cidades. O comércio entrou em declínio e a fome se estendeu pela Europa. O século XIV chegou trazendo uma grande crise, que marcou o fim da época medieval. Fome, pestes, guerras e rebeliões de servos atingiram a essência do sistema feudal.

De 1315 a 1317 as fortes chuvas acabaram de arrasar os campos e as colheitas. “Nos campos ingleses, ele passou de 40 mortos por cada mil habitantes, para 100 por mil. Na cidade belga de Ypres, uma das mais importantes da Europa, pelo menos 10% da população morreu no curto espaço de seis meses em 1316″.

Em meio a tantas crises que atingiram cidades inteiras, regiões inteiras, uma família também se viu em crise, perdendo tudo o que tinha, sentindo o chão lhe sair de baixo dos pés. Foi a família de São Conrado, o santo que homenageamos hoje.

De uma vida luxuosa ele passou a viver na pobreza. E Deus mostrou sua força, sua misericórdia e sua generosidade, suscitando no coração de Conrado o desejo de fazer de sua vida, a única coisa que lhe restara, um dom dedicado ao serviço do Pai. E sua vida foi uma demonstração de que tendo Deus conosco, isso nos basta.

Nobre, rico, feliz no casamento, era aficionado pela caça

Conrado nasceu em Piacenza, ao sul de Milão, por volta do ano 1290, da nobre família dos Confalonieri. Quando jovem, tornou-se soldado e se casou com a jovem Eufrosina de Lodi. Seus divertimentos eram os torneios, as armas e as caçadas a lebres e javalis. Certo dia, para emboscar uma presa, acabou provocando um incêndio em todo um bosque. O fogo se alastrou pelas propriedades locais e destruiu muitas colheitas e granjas das redondezas.

Conrado e os cúmplices da façanha entraram na cidade sem serem notados, e não havia nenhuma testemunha que os pudesse acusar dos prejuízos causados involuntariamente.

Os colonos se revoltaram porque tiveram muitos prejuízos. O governador, Galeazzo Visconti, para aplacar a ira dos camponeses, condenou à morte o primeiro suspeito, que na ocasião pegaram no bosque. Mas Conrado demonstrou toda a sua nobreza também de coração. Para não permitir que um inocente pagasse por um erro seu, apresentou-se ao governador e confessou sua culpa. Comprometeu-se a indenizar os prejudicados. Para isso vendeu todas as suas posses, ficando completamente pobre.

Vendem todos os seus bens e se tornam religiosos

Na pobreza, ele e sua esposa buscaram refúgio em Deus. E encontraram. Ficaram os dois absolutamente sem nada, numa miséria total. Mas não se desesperaram, e aceitaram mesmo essa provação como um sinal do céu. Após um período de sofrimentos e meditações, separaram-se de comum acordo e resolveram se dedicar, os dois, marido e esposa, ao serviço do Senhor.  Era o ano de 1315. Eufrosina ingressou no convento franciscano de Santa Clara de Piacenza, onde passou o resto de sua vida. Conrado retirou-se, passando a peregrinar de santuário em santuário, em busca de um lugar adequado para viver como ermitão, dedicado à penitência e oração.

En Calendasco, no ano de 1315, vestiu o hábito da Ordem Terceira de São Francisco. Mas algum tempo depois continuou sua marcha eremítica. Visitou Roma e seguiu caminhando até que um dia acampou no estreito de Messina. Perambulou pelas terras entre Catânia e Siracusa, talvez entre os anos de 1331 e 1335, e chegou à cidade de Noto.

Cresce sua fama de santidade

Ele se fixou em Noto, numa cela junto à Igreja de São Miguel. Após 30 anos de caminhada, pareceu que ele ia finalmente parar de perambular. Dedicou-se a cuidar dos enfermos no Hospital de São Martinho. Começou a crescer sua fama de santidade e ele passou a ser procurado por devotos.

Acostumado à solidão, procurou refúgio na gruta de Pizzoni, fora da cidade. Lá se encontrou com outro ermitão terciário franciscano, o Beato Guillermo Buccheri de Scicli. Na gruta eles passaram a viver em oração e penitência, pedindo a Deus a conversão dos pecadores, a proteção contra desastres da natureza, e a cura da multidão de enfermos que continuou procurando por eles, oriundos de todas as regiões vizinhas. Uma de suas visitas frequentes foi a do bispo de Siracusa. Essa gruta é conhecida hoje como “gruta de São Currau, ou gruta de São Conrado”.

Conrado morreu na gruta de Pizzoni, no dia 19 de fevereiro de 1351. Foi enterrado na cidade de Noto, onde os habitantes, para homenagear o “santo que veio do continente”, o sepultaram na mais bela igreja de Noto, a igreja de São Nicolau, que em 1844 se tornou a catedral da nova diocese.

Seu processo de beatificação passou pelos papas Leão X, Paulo III e Urbano VIII. Este último o canonizou no dia 12 de setembro de 1625. Conrado é hoje, junto com São Nicolau, patrono da cidade e da diocese de Noto. É particularmente invocado para a cura de hérnias.

Reflexão

Lemos em Ezequiel 18, 21-23: “Mas se o ímpio se arrepender de todos os pecados cometidos e guardar todas as minhas leis e fizer o que é direito e justo, viverá com certeza e não morrerá. Nenhum dos crimes cometidos será lembrado contra ele. Viverá por causa da justiça que praticou. Acaso tenho prazer na morte do ímpio? – oráculo do Senhor Deus. Não desejo antes que mude de conduta e viva?”

Na mudança de vida do santo que homenageamos hoje, São Conrado, vemos espelhada a misericórdia e o cuidado do Pai para com todos os seus filhos. Conrado, com as atitudes que tomou para corrigir seu erro, fez o que era agradável a Deus. Por isso sua vida e de sua esposa se tornaram fonte de virtudes. Tocados pela luz divina, Conrado e Eufrosina passaram por uma mudança radical de vida. Em suma, Conrado abandonou a vida de incendiário de floresta e teve a vida toda incendiada no amor de Deus e para o bem das almas.

Jesus nos disse que o mais importante da Lei são a justiça, a misericórdia e a fidelidade! Que a vida santa de São Conrado nos contagie, encorajando-nos a ir, a todo instante, beber na fonte da verdadeira sabedoria! São Conrado Confalonieri, rogai por nós. Amém!

Fonte:

http://espiritualidade.daaz.com.br/?p=743

http://santossanctorum.blogspot.com.br/2012/02/sao-conrado-de-placencia-piacenza-19-de.html

Grifos nossos

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: