São João da Mata

Fundador da Ordem da Santíssima Trindade

 São João da Mata2

A Providência suscitou este santo fundador dos trinitários no final do século XII, para romper as cadeias dos cativos cristãos em terras muçulmanas. A Igreja comemora no mês de janeiro o grande São Raimundo de Penhaforte, cofundador de uma ordem religiosa dedicada à redenção dos cativos. E neste mês apresenta-nos São João da Mata, outro grande santo que fundara antes outra ordem religiosa com a mesma finalidade.

Vivia-se então na época heroica das cruzadas. Na Espanha e no Oriente os cristãos lutavam sem cessar contra os inimigos da cruz, e muitos caíam vivos em seu poder. Além disso, os piratas mouros infestavam as costas do Mediterrâneo, capturando navios e atacando pequenas cidades do litoral, para levar como escravos toda pessoa válida que encontravam. Em Túnis, no Marrocos, em Trípoli, no Egito e na Síria os calabouços e os porões das casas particulares estavam repletos de cristãos que, amontoados, maltratados, mal vestidos e pior alimentados, corriam grande perigo espiritual. Era preciso fazer algo para aliviar essa terrível tragédia. Foi o que realizaram São João da Mata e São Félix de Valois fundando a Ordem da Santíssima Trindade para a Redenção dos Cativos.

Voto de castidade aos dez anos

São João da Mata é originário de Faucon, pequena cidade da Provença, na França, filho do barão Eufêmio da Mata e de Marta, descendente de uma das maiores famílias da região. Nasceu no dia 23 de junho, véspera da festa de São João Batista no ano de 1160, recebendo o nome do precursor.

Pouco antes dele nascer, sua mãe rezava fervorosamente a Deus pedindo um feliz parto, quando lhe apareceu a Santíssima Virgem, revelando-lhe que o menino que trazia no seio seria um assinalado redentor dos cativos. A influência que essa mãe profundamente cristã teve sobre seu filho foi grande.

Tendo apenas dez anos de idade, João fez voto de castidade. O barão, entretanto, apesar de muito religioso, tinha grande esperança no futuro desse filho muito bem dotado para o estudo. Queria que estudasse humanidades e fizesse uma boa carreira no mundo. Para isso mudou-se para Marselha, onde João fez seus primeiros estudos, indo depois para Aix, também na Provença, célebre então por seus bons professores.

Cursou depois a sagrada teologia na célebre universidade de Paris, onde ligou-se em estreita amizade com um jovem professor italiano, João Lotário, a quem predisse que se tornaria Papa.

Certa vez em que tinha de sustentar uma tese difícil e complicada, resolveu as dificuldades teológicas com tal desenvoltura e precisão, que seus mestres ficaram pasmos de admiração.

Doutorando-se em teologia, recebeu as ordens sacras. Quando o bispo lhe impunha as mãos no momento de sua ordenação sacerdotal, viu-se uma coluna de fogo repousar sobre sua cabeça. Todos compreenderam que a Providência Divina tinha grandes desígnios para o jovem sacerdote.

Deus indica em êxtase sua missão

Quando São João da Mata celebrava a primeira missa – em presença do bispo de Paris, dos abades de São Vítor, de Santa Genoveva e de grande público — entrou em êxtase e viu sobre o altar um anjo vestido com um hábito branco, com uma cruz encarnada e azul no peito, tendo a seu lado dois cativos com gestos suplicantes. Compreendeu que deveria fundar uma ordem religiosa para redimir os cativos da tirania dos sarracenos, e depois o bispo D. Maurício de Sully, a quem contou a visão, também assim o interpretou. O bispo o incentivou a ir a Roma apresentar seu pedido ao Pai comum dos fiéis.

Mas antes São João da Mata quis preparar-se para essa grande missão, no isolamento e na meditação. Movido por um impulso interior, foi para as montanhas da diocese de Meaux, onde encontrou um solitário, São Félix de Valois, vivendo na oração e penitência. Também este havia ouvido uma voz interior, que o convidava a deixar a solidão e a procurar socorrer os desgraçados cativos dos mouros. Conferindo um com o outro esse chamado sobrenatural, resolveram dedicar-se à oração, à espera de algum sinal que o confirmasse.

Essa espera durou três anos. Num dia em que estavam entregues à oração, viram um cervo branco que tinha entre os chifres uma cruz, com as mesmas cores do hábito do anjo que aparecera a São João da Mata. Viram nisso o sinal esperado, e partiram para Roma a fim de apresentar ao Papa seu plano.

Nesse meio tempo fora eleito o novo Pontífice, Inocêncio III, que não era senão o padre João Lotário, antigo professor em Paris, com apenas 36 anos de idade.

O Soberano Pontífice submeteu ao exame do Sacro Colégio esse projeto, ao qual deu muita importância. Também quis interessar a piedade dos fiéis por essa obra de salvação, pedindo orações especiais. Com o mesmo fim, foi celebrar a santa Missa na basílica de Latrão. Diz a tradição que, na hora da consagração, Inocêncio III teve a mesma visão do anjo com os dois cativos, que tivera São João da Mata, o que o fez decidir-se pela aprovação da ordem. O próprio Papa impôs o hábito branco aos dois santos, nascendo assim a Ordem da Santíssima Trindade para a Redenção dos Cativos. Desse modo, mesmo antes que as constituições fossem escritas, a obra de São João da Mata e de São Félix de Valois foi reconhecida como uma das grandes instituições da Igreja.

O Sumo Pontífice encarregou o bispo de Paris e o abade de São Vítor de escreverem as constituições da nova ordem. Além da redenção dos cativos, os trinitários deveriam dedicar-se também aos mais desprovidos e ao cuidado dos doentes.

Conhecido como o “Apóstolo da Dalmácia”

Curiosamente, os primeiros membros a serem admitidos na nova ordem religiosa não foram franceses, mas os ingleses Roger Dees e João, o Inglês, e um escocês, Guilherme Scot, antigos condiscípulos de João da Mata.

São João da Mata desejava ser dos primeiros a atravessar o mar para resgatar cristãos, mas o Papa, temendo que ele fosse vítima de seu zelo, deu-lhe outra missão, com perda para toda a ordem; fazer retornar a paz nas igrejas da Dalmácia e da Sérvia. Em virtude disso, ele ficou conhecido como apóstolo da Dalmácia.

Entrementes Guilherme Scot e João, o Inglês, voltaram do Marrocos, trazendo os primeiros 186 escravos resgatados.

São João da Mata, para dispor de auxiliares que coletassem as esmolas e o auxiliassem nos trabalhos de retaguarda, fundou a Confraria da Santíssima Trindade, constituída por leigos.

Quando a ordem cresceu o suficiente, o santo quis socorrer também os cristãos italianos aprisionados em Túnis e Trípoli. Acompanhado de alguns dos seus, partiu para Tunis, onde pôde observar que, sendo a cidade mais pobre que as do Marrocos, seus habitantes eram ainda mais selvagens e primitivos, o que redundava em serem muito mais cruéis e desumanos para com os cristãos.

Vendo o zelo com que o santo incitava os cristãos a morrer antes que abandonar a fé, os sarracenos procuraram vingar-se dele. Certo dia, quando o encontraram só, caíram sobre ele com porretes, deixando-o estendido no chão esvaindo-se no próprio sangue. Mas Deus conservou milagrosamente sua vida, e ele entregou-se então com novo ardor ao apostolado.

Abençoa o futuro São Fernando III, o Santo

O santo ouviu então outro apelo: o da Espanha, cujo território em grande parte estava em poder dos muçulmanos, com os mesmos problemas que nos outros lugares, e para lá foi. Dom Alonso, rei de Castela, apresentou-lhe então sua família, pedindo que a abençoasse. Vendo o infante de sete anos de idade, predisse que ele estava destinado a expulsar os mouros de quase toda a Espanha. Foi o que sucedeu, pois o menino não era senão o futuro Fernando III, o Santo, que não perdeu nenhuma batalha contra os mouros.  

Em outra viagem a Túnis, os muçulmanos duplicaram o resgate que haviam antes combinado pelos prisioneiros. No momento em que estavam embarcados para voltar à Europa, os infiéis invadiram o navio, quebrando e rompendo tudo, inclusive remos e velas. São João da Mata pôs então seu manto como vela, e erguendo seu crucifixo, suplicou à Estrela do Mar que lhes fosse propícia. Uma multidão entusiasmada viu chegar a embarcação no porto de Óstia, sem maiores problemas.

Nessa ocasião chegou a Roma D. Rodrigo, bispo de Toledo, com a missão de obter reforços para auxiliar os cristãos comandados pelo rei Dom Alonso, contra nova investida dos mouros. São João da Mata escolheu seus mais corajosos súditos para assistirem os soldados da cruz. No memorável dia 16 de julho de 1210, os dois exércitos se encontraram na planície de Tolosa. Os cristãos, como leões, lançaram-se sobre os mouros, obtendo estupenda vitória. Mas foi preciso depois cuidar dos mortos e feridos, e dessa tarefa encarregou-se a caridade de São João da Mata.

Coroado de glória, São João da Mata faleceu no dia 17 de dezembro de 1213, tendo antes a alegria de ver seus filhos espirituais penetrarem na Ásia com os intrépidos cruzados de Jerusalém.

Reflexão:

O cuidado principal de São João da Mata era libertar os fiéis do poder dos muçulmanos, para assim salvar as almas de muita gente – “Tua preocupação constante deve ser preservar tua alma da escravidão do demônio. Pelo pecado é que o homem se torna escravo do inimigo. Para se desvencilhar dos laços diabólicos, do pecado e do vício, há um só recurso: confessá-lo ao sacerdote e pedir perdão. Obtido este, com máximo cuidado deve-se evitar a recaída. Não disse Nosso Senhor ao paralítico, que obtivera a cura do mal: “Eis que ficaste bom; não tornes a pecar, para que não te suceda coisa pior !” (Jô. 5,  14). “O homem que cair de novo no pecado do qual alcançou perdão, provocará, diz Teodoreto, a ira de Deus e receberá maior castigo”.

São João da Mata, sendo estudante ainda, repartia entre os pobres o dinheiro que se lhe dava para as suas despesas. Quem é mais pobre que os missionários, que trabalham no campo das missões, passando por mil necessidades e misérias !  A esmola dada aos missionários, por ser destinada a obra mais querida de Deus, que é a Propaganda da Fé, deve trazer e traz muita benção, já na vida, e garantia de uma boa morte. Se quiseres manifestar tua amizade a Deus e pôr a seguro tua salvação, dá esmola para as missões, auxiliando a grandiosa obra da Propaganda da Fé. São João da Mata, rogai por nós. Amém!

Fonte:

http://www.paginaoriente.com/santosdaigreja/dez/joaodamata1712cr.htm

http://www.catolicismo.com.br/materia/materia.cfm?IDmat=9066E7A1-3048-313C-2E9384B242F9129D&mes=Fevereiro2010

Grifos Nossos

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: