São Ladislau da Hungria

Príncipe de vida exemplar, rigoroso contra toda injustiça, caritativo, paciente e fervoroso, modelo de como se pode praticar a virtude heróica no trono

 

 

 

A Idade Média, tempo em que a filosofia do Evangelho governava os povos, deu frutos de santidade maiores do que em qualquer outra época. Para só falar no campo civil, vemos grandes santos desde o cimo da escala social até o mais baixo dela: imperadores, reis, duques e até pastores e empregadas domésticas.

São Ladislau, rei da Hungria, pertence ao número dos que praticaram no trono a virtude em grau heróico, sendo modelo para seus súditos e para os fiéis em geral. Era filho do rei Bela e neto de um primo-irmão do rei Santo Estêvão, da Hungria. Nasceu em 1041 na Polônia, onde se havia refugiado seu pai para fugir das violências de Pedro, o Germânico, sucessor de Santo Estêvão. Sua mãe, filha do duque Mesco, deu profunda formação religiosa a ele e a seu irmão Geisa.

Morto Pedro, o Germânico, subiu ao trono da Hungria André, irmão mais velho de Bela e tio de Ladislau. Chamou-os novamente à corte, deu a Bela o título de duque e quis que seus dois sobrinhos fossem criados em seu palácio, à sua vista, pois não tinha herdeiros. Como já ocorrera na Polônia, logo a corte admirou as virtudes de Ladislau, jovem casto, sóbrio, humilde, afável com todos e de extrema caridade para com os pobres.

Ocorreu então que ao rei André nasceu um filho, Salomão, revogando ele o ato pelo qual havia designado Bela como seu sucessor. Bela não aceitou a medida e levantou-se em armas contra o irmão. André, ferido no combate, faleceu pouco depois, e Bela proclamou-se rei. Isso chocou muito a Ladislau, não só por ter sido seu pai responsável direto pela morte do tio, mas também porque julgava que o direito à sucessão pertencia a Salomão. Quando seu pai faleceu, trabalhou para que Salomão o sucedesse, o que ocorreu.

No trono, Salomão mostrou-se cruel e sanguinário, sendo deposto por Geisa, irmão de Ladislau, que foi proclamado rei. Mas Geisa faleceu apenas três anos depois, sem sucessor direto. Os prelados, a nobreza e os magistrados das principais cidades da Hungria, por unanimidade, escolheram-no para sucedê-lo, mas ele não queria aceitar a coroa em detrimento de Salomão, ainda vivo, por considerá-lo legítimo herdeiro do trono. Entretanto os húngaros mostraram-lhe que a sucessão no país não era hereditária, mas eletiva, pelo que tinham direito de escolher aquele que julgassem mais apto para governar. Diante disso ele concordou, mas não quis ser coroado nem usar diadema enquanto Salomão vivesse.

 Reinando por Nosso Senhor Jesus Cristo

Esse príncipe verdadeiramente cristão quis fazer Jesus Cristo reinar em seus estados. Sua primeira providência foi restituir à Religião seu primitivo esplendor, trabalhando também para extinguir os últimos restos de paganismo no país e fazer nele reinar a paz de Cristo. Para progresso e esplendor da verdadeira Religião, dedicou-se a reformar as igrejas deterioradas e a construir novas. Entre elas edificou a célebre basílica de Nossa Senhora de Waradin, que se tornou magnífico monumento de piedade mariana e de louvor à Virgem Mãe de Deus, de quem era fiel devoto.

Notável por sua bondade, justiça e caridade, Ladislau constituiu-se o sustentáculo dos órfãos, dos infelizes e de todos os aflitos. Mostrava em seus julgamentos tanta suavidade e desejo de ajudar, que era olhado mais como um pai que acomodava as diferenças dos filhos do que como juiz.

Em seu palácio não se ouviam imprecações, blasfêmias nem palavras desonestas. Os jejuns eclesiásticos eram observados rigorosamente. Cada um procurava ser tão exímio em seu comportamento, que se diria terem alcançado a perfeição de um palácio real.

Ladislau convocou e presidiu uma assembléia entre os prelados e a nobreza, submetendo à sua deliberação uma série de ordenações de acordo com as peculiaridades de seu povo e a Lei Divina. Tais ordenações foram muito eficazes, mas o exemplo do rei era ainda mais cogente do que qualquer lei para manter os súditos em seus deveres e na exemplaridade de vida. Ele somente ordenava aquilo que era o primeiro a cumprir, e sendo o mais fiel cumpridor dos mandamentos de Deus e da Igreja, tornou-se uma lei viva, que indicava a cada um o próprio dever.

Propõe-se a abdicar em favor do primo

Ladislau fez de tudo para conquistar para Deus seu primo Salomão. Concedeu-lhe uma pensão principesca para que vivesse de acordo com seu nascimento, e enviou várias vezes altos prelados e homens de Estado para tentar aplacá-lo. Ofereceu mesmo deixar-lhe o trono, se ele mudasse de vida. Salomão respondeu a isso com traições e ameaças à vida do santo, chegando a conjurar-se com os hunos para atacar o país. Derrotado, foi preso numa praça forte.

Mas não por muito tempo. Quando Ladislau quis trasladar os restos de Santo Estêvão para um lugar mais digno e mandou exumá-los, os operários não conseguiam abrir o túmulo, por mais que tentassem. Uma santa religiosa declarou então ao rei que, segundo manifestação divina, a causa daquela dificuldade era a sua excessiva severidade contra Salomão, que desgostara grandemente ao Senhor. Ele acatou com humilde simplicidade a determinação divina e mandou libertar o prisioneiro, devolvendo-lhe todos os seus bens.

Salomão empenhou-se depois em várias guerras contra príncipes vizinhos, foi derrotado e forçado a fugir para uma espessa floresta, da qual não reapareceu. Historiadores dizem que, no isolamento, ele finalmente se arrependeu de seus desmandos. E, para fazer penitência, passou vários anos como solitário na floresta, onde morreu santamente, sendo enterrado em Póla, cidade da Ístria. Esse feliz resultado seria devido em grande parte às orações de São Ladislau, que não deixava de rezar por ele.

 Valente na batalha, magnânimo na vitória

Embora fosse de índole pacífica, e talvez por causa disso, Ladislau teve que fazer face a vários inimigos que tentavam despojá-lo de seu trono. Procurava resolver os litígios por meios pacíficos, mas quando estes não surtiam efeito, saía destemidamente à frente de suas tropas. Assim, venceu os poloneses, tomando-lhes de passagem Cracóvia, sua capital; expulsou os bárbaros da Dalmácia e os hunos, que assolavam a Hungria, obrigando-os a pedir paz. Conquistou também parte da Bulgária e da Rússia.

De estatura elevada e majestosa, nas guerras ele era o primeiro a cavalo. À testa do exército, cumpria as funções do mais intrépido capitão e bravo soldado. Naqueles tempos cavalheirescos, para poupar vidas humanas, ele desafiava os generais dos exércitos inimigos para combates singulares, nos quais saía sempre vencedor.

Antes de empreender qualquer expedição, ordenava orações públicas e três dias de jejum para o bom êxito da empresa. De sua parte, preparava-se também com o jejum e a recepção dos sacramentos, para que o Senhor dos Exércitos lhe fosse propício. Era tão valente no campo de batalha quanto magnânimo na vitória.

Libertar a Terra Santa do islamismo

O que sobretudo almejava esse destemido rei era conduzir um exército contra os infiéis, para retomar a Terra Santa. Assim, quando o bem-aventurado papa Urbano II pregou a Cruzada, quis ser dos primeiros soldados da cruz. E quando os reis da França, Espanha e Inglaterra — que também fariam parte da expedição — pediram a Ladislau que chefiasse a armada, aceitou muito contente e se preparou para a tarefa. Mas os planos de Deus eram outros. Houve uma insurreição entre os boêmios, e ele foi forçado a pacificá-los. Caiu gravemente enfermo, e soube que seus dias estavam contados.

Tendo recebido com fé e alegria todos os socorros que a Santa Mãe Igreja tem para seus filhos em transe de morte, entregou sua bela alma a Deus no dia 30 de julho de 1095.

Não houve na Hungria monarca mais pranteado que ele. Todos consideravam os 18 anos de seu reinado como uma bênção do Céu. Durante três dias a nação inteira levou luto pelo seu rei, privando-se de qualquer entretenimento. Os restos mortais foram levados em cortejo para a igreja de Nossa Senhora. Segundo os cronistas, foi mais um triunfo do que uma pompa fúnebre.

Foram tantos os milagres realizados por sua intercessão, que o Papa Celestino III o elevou à honra dos altares no ano de 1192. O culto a São Ladislau é muito popular na Hungria, onde é chamado São Lalo. É o patrono de grande número de igrejas, e seu nome é dado aos recém-nascidos com muita frequência, tanto lá quanto na Polônia. Costuma ser representado a cavalo, com um sabre numa das mãos e o terço na outra, pois era este o modo como comandava as batalhas.

 Reflexão

A Idade Média, período áureo tão criticado por quem não o conhece ou não procura conhecer, foi daqueles tempos onde os valores cristãos, eram o sustentáculo da quase totalidade dos governantes que comandavam os países da Europa. Isso não foi diferente com a Hungria de São Ladislau. Exemplo de governante para os dias de hoje na Europa e no Mundo. Um mundo cada vez menos cristão e adepto do anticristo. Fato ocorrido recentemente, que prova o que estou dizendo, foi a revolta manifestada em larga escala pela Europa e por boa parte do mundo contra a promulgação da nova constituição da Hungria em janeiro de 2012. Uma constituição inédita para o mundo de hoje, se compararmos com as da grande maioria dos outros países, onde o que vigora, são as leis anticristãs.

Na constituição húngara, os valores morais e cristãos estão explícitos. Ela faz referência a Deus, ao cristianismo e à família. Estipula que a vida do feto deve ser protegida desde a concepção, vetando o “direito” das mulheres de abortar. Diz que casamento só é admitido entre homem e mulher.

A Hungria pode ser vista como uma ilha no meio do oceano de relativismo moral vigente na Europa de hoje e, nos mantém acesa a chama da esperança de um novo porvir, uma restauração dos valores quase extintos no berço do cristianismo. Com certeza, essa pequena luz no fim do túnel aparece graças à intercessão desse grande santo húngaro, São Ladislau. Que ele possa receber também as nossas orações direcionadas ao nosso Brasil e ao continente americano, para que governos anticristãos sejam varridos do mundo. São Ladislau da Hungria, rogai por nós. Amém!

 Fonte:

http://www.catolicismo.com.br/materia/materia.cfm?IDmat=E5A11950-3048-313C-2E84BD5134D40A25&mes=Junho2010

Grifos Nossos

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: