Beato José Vaz

Apóstolo do Sri Lanka

No antigo Ceilão, hoje Sri Lanka, o catolicismo foi sustentado em larga medida pela admirável virtude de seu apóstolo, o Bem-aventurado Padre José Vaz, do Oratório de Goa

Estabelecido no Ceilão (ilha ao sul da Índia) em 1505, quando lá chegaram os portugueses, o catolicismo foi se difundindo por toda a região costeira ocidental da ilha — a lendária Taprobana dos romanos, de que fala Camões — penetrando também em alguns pontos do seu interior, como no poderoso reino de Kandy.
Em 1658, os protestantes holandeses conquistaram a ilha. Expulsaram os missionários, proibindo, sob pena de morte, dar-lhes abrigo e obrigando os católicos a frequentar seus templos, para serem bem vistos pelos novos dirigentes. Sob condições tão adversas, a perseverança dos católicos estava ameaçada.

Zelo apostólico: socorrer o Ceilão

Em Goa, na Índia portuguesa, o Padre português José Vaz teve notícia dessa triste situação e desejou socorrer os católicos perseguidos. Mas o trabalho desse sacerdote no Ceilão teria que ser estável e duradouro, necessitando de longa preparação. Assim, 12 anos haveriam de transcorrer até que ele pudesse pisar naquele solo.
O Pe. Vaz ingressou então num instituto religioso, aparentemente sem nenhum futuro. Quase imediatamente foi eleito seu superior. Como tal, obteve a afiliação do núcleo à Ordem do Oratório, fundada por São Felipe Néri na Itália.
O Oratório de Goa foi a primeira instituição puramente indígena em toda a Ásia. Seu papel seria providencial, pois haveria de prover, por mais de 100 anos, os missionários para o Ceilão, num período em que os europeus estavam impossibilitados de fazê-lo. Teria também a glória de dar à ilha seus dois primeiros bispos.

Sillalai: aldeia fidelíssima resiste à heresia

Disfarçado de mendigo, o Pe. Vaz, acompanhado de um jovem escravo, conseguiu penetrar no Ceilão.
Chegando depois de mil vicissitudes a Jaffna, ao norte da ilha, lançou mão de um meio simples, mas heróico, naquela circunstância, para encontrar os católicos que escondiam sua fé: pendurou o terço no pescoço.
Se a medida atraiu a ira dos governantes e o escárnio dos pagãos, por outro lado chamou a atenção dos católicos. Por esse meio, as portas para seu apostolado ficaram semi-abertas. Semi, porque prosseguia a implacável perseguição protestante e o risco de morte.
Os católicos não permitiram ao sacerdote que permanecesse na cidade, repleta de hereges e seus espias, mas na vizinha Sillalai. Seus habitantes eram católicos tão resolutos, que os holandeses, para evitar uma revolta, resolveram ignorá-los. Assim, a pugnaz aldeia transformou-se no quartel-general da missão do Pe. Vaz. De lá ele atendia Jaffna e redondezas.

Primeiros mártires da nova missão

Don Pedro era um jovem católico rico e influente. Mas era ambicioso e, para estar em bons termos com o novo poder, renegou a verdadeira Religião. Quando o Pe. Vaz chegou a Jaffna, Don Pedro não pôde resistir à pressão da consciência, foi vê-lo e voltou convertido.
Embora ambicioso, ele não era medíocre. E praticou severas penitências para compensar sua apostasia. Isso agradou tanto à Providência Divina, que lhe reservou o inestimável dom do martírio.
Na véspera do Natal de 1689, o Pe. Vaz, valendo-se do privilégio desse dia, celebraria a Santa Missa em três casas diferentes.
Enquanto os fiéis esperavam em cada uma delas rezando o Rosário, as três residências foram invadidas simultaneamente pelos soldados protestantes. Alguém havia traído. O Pe. Vaz escapou milagrosamente, sendo porém aprisionados mais de 300 católicos.
O comandante holandês mandou libertar as mulheres, crianças e a maioria dos homens, depois de cobrar pesada multa. Mas reteve os oito líderes. Sua cólera concentrou-se sobretudo em Don Pedro, que havia repudiado a pseudo-religião reformada e todos os favores dos hereges. Ou ele voltaria atrás, ou seria executado. Don Pedro não se dignou responder. Foi duramente flagelado para que cedesse. Enquanto os violentos golpes se sucediam, Don Pedro foi meditando na Paixão do Salvador, até perder os sentidos. Semi-morto, foi lançado à prisão, onde seus sete companheiros o esperavam. Voltando a si, mal teve forças para exortar os outros a perseverarem, indo em seguida receber no Céu a coroa da glória eterna.
Os demais perseveraram. Condenados a trabalhos forçados, todos morreram em breve espaço de tempo, vítimas de sofrimentos físicos e morais.

Generosidade providencial de um tecelão

Após o ocorrido em Jaffna, o Pe. Vaz julgou que lá permanecer seria arriscar continuamente sua vida e a de seu rebanho. Dirigiu-se então para Kandy, onde também, havia várias décadas, os cristãos estavam sem pastor. Mas foi precedido por um calvinista francês, que convenceu o monarca local de que o missionário era um espião português. Tão logo chegou, o apóstolo foi posto na prisão.
O futuro do catolicismo no Ceilão dependeu nesse momento, humanamente falando, da tocante fidelidade, desapego e sensibilidade de alma de um tecelão que costumava preparar tecidos bordados para o rei e a corte de Kandy, reino independente no centro da ilha.
Ele veio a saber da prisão do Pe. Vaz algum tempo depois. Preparou então com esmero o mais elaborado tecido que jamais tinha feito, e dirigiu-se ao palácio. Maravilhado, o monarca perguntou-lhe quanto queria por aquela obra de arte. “Nada mais do que a permissão de ver e falar com o sacerdote que V. Majestade tem em sua prisão” — foi a surpreendente resposta.
Realmente, o ter a possibilidade de confessar-se depois de tantos anos era o melhor pagamento que esse verdadeiro cristão poderia receber. Mas Nossa Senhora recompensou sua generosidade: o rei ficou tão tocado com o amor do tecelão à sua Religião, que lhe respondeu que não só ele, mas todos os cristãos que quisessem falar com o padre poderiam fazê-lo livremente.
Assim, em virtude desse ato de generosidade e desprendimento de um simples fiel, o Pe. Vaz pôde transformar a prisão, durante dois anos, em sua primeira paróquia. Foi-lhe permitido fazer uma cobertura de folhas de coqueiro no quintal da prisão, e lá ele celebrava, pregava, atendia confissões, realizava casamentos e batismos, ensinava catecismo e preparava crianças para a Primeira Comunhão.
No fim desse período, convencido da inocência do missionário, o rei libertou-o, autorizando-o além disso a construir uma igreja na capital.

Fatos extraordinários e edificantes

A vida do Pe. Vaz foi tão admirável, que um dos seus auxiliares, escrevendo ao Superior do Oratório de Goa em 1698, diz: “Como o gênero de vida do Pe. Vaz é em realidade mais sobre-humano que natural, o povo do país credita-lhe muitos milagres. Mesmo os pagãos e os muçulmanos relatam fatos sobre ele que são os mais extraordinários”. Eis alguns:
O Pe. Vaz acabara de entrar em uma casa em Colombo, onde ia celebrar, quando os holandeses chegaram. Os fiéis fugiram por todos os lados. Carregando consigo todo o material para a Missa, o santo missionário atravessou calmamente em meio aos soldados, sem que estes o vissem.
Outra vez, viajava o Pe. Vaz de Kandy a Puttalam com alguns companheiros, quando chegaram a um rio cujas águas tinham subido muito em virtude das chuvas. Confiando na Providência, o sacerdote penetrou no rio, medindo sua profundidade com uma vara. Quando alcançou o meio, com as águas não indo além de seus joelhos, chamou seus amigos para segui-lo. Não só eles, mas alguns pagãos também atravessaram o rio seguidos. Vendo isso, alguns viajantes muçulmanos desmontaram suas tendas e tentaram fazer o mesmo. Tão logo entraram no rio, a água, chegando-lhes aos ombros, voltou a correr tão violentamente que tiveram de recuar.
Um rico e influente budista de Kandy não podia suportar a ascendência que o Pe. Vaz tinha sobre o rei. Certo dia em que o sacerdote estava ausente, reunindo os influentes budistas da cidade, foi diante do rei apresentar toda sorte de mentiras e calúnias contra o sacerdote, ameaçando uma sublevação caso a igreja da missão não fosse demolida, e os sacerdotes banidos. O monarca, que enfrentava outros difíceis problemas políticos, consentiu em expulsar os padres. Mas, ao mesmo tempo, mandou avisar o Pe. Carvalho, que substituía o Pe. Vaz na missão, que ele não tinha nada a temer, e que podia levar consigo o que pudesse.
Os hindus arrasaram a igreja enquanto o Pe. Carvalho fugia levando o indispensável para a Missa, refugiando-se na fazenda de um português.
O castigo divino não tardou. O líder budista foi atacado por terrível moléstia, suas pernas se paralisaram, horrível úlcera se lhe formou na língua e todo seu corpo foi coberto de feridas. Todos os habitantes de Kandy, mesmo os pagãos, reconheceram nisso um castigo de Deus.
Pouco depois, através dos bons ofícios do médico do rei, o Pe. Vaz recebeu liberdade para pregar novamente não só na capital, mas em todo o reino.

Pesadas cruzes no final da vida

Amando ardentemente a Nosso Senhor Jesus Cristo, o Pe. Vaz venerava também sua Cruz, seguindo sua senda dolorosa.
Estava ele pregando certo dia, quando sua habitual febre elevou-se assustadoramente. Levado para Kandy, suas pernas se paralisaram.
Mas, havendo dois agonizantes que necessitavam dos últimos sacramentos, arrastando-se, deixou seu leito para ir socorrê-los. A caminho da segunda visita, seu carro de boi tombou, e o Pe. Vaz rolou de considerável altura para o fundo de uma ravina. Em virtude disso a paralisia das pernas tornou-se total, formou-se um abscesso em seu ouvido direito e seu maxilar endureceu, tendo-lhe sido impossível fechar a boca durante quatro dias. No decorrer desses tormentos, seu único alívio era pronunciar o dulcíssimo nome de Jesus, oferecendo-Lhe seus sofrimentos.
Vendo que seus dias estavam contados, renunciou nas mãos do Pe. José Menezes aos cargos de Vigário Geral do bispo de Cochin e de Superior Geral dos Oratorianos no Ceilão, expirando a 16 de janeiro de 1711, sendo beatificado em janeiro de 1995.

Reflexão

Queridos irmãos e irmãs, coloco aqui as palavras do Beato João Paulo II na sua homilia de beatificação do Pe. José Vaz: “Padre José Vaz foi um grande sacerdote missionário, pertencente à linha interminável de arautos ardentes do Evangelho, os missionários que, em todas as épocas, deixaram sua terra para trazer a luz da fé aos povos. A Igreja hoje precisa de mais homens como missionários e missionárias entre os diferentes continentes.” Como o próprio João Paulo II dizia, hoje necessitamos mais do que nunca de missionários ardentes para levar aos quatro cantos do mundo o fogo do evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo. Que o Beato José Vaz possa ser esse exemplo e interceda por nós junto ao Senhor para que tenhamos a coragem necessária para sermos autênticos missionários. Beato José Vaz, rogai por nós. Amém

Fonte:

http://www.catolicismo.com.br/janeiro/2005

http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/homilies/1995/documents/hf_jp-ii_hom_19950121_beatificaz-sri-lanka_en.html

Grifos Nossos

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: