São Francisco de Capillas

São Francisco Fernandez de Capillas protomártir foi proclamado (Primeiro Mártir) da China em 16 setembro de 1748 pelo Papa Bento XIV. Dois séculos mais tarde, em 2 de maio de 1909, foi ele beatificado pelo Papa São Pio X. Quase um século depois de sua beatificação, ele foi canonizado pelo Papa João Paulo II em 1 de Outubro de 2000. Sua festa é celebrada no dia 15 de janeiro.

Levava uma vida ao mesmo tempo angelical, penitencial e mortificada, foi declarado que, mesmo se não tivesse sido martirizado, ele ainda poderia ter sido beatificado. O santo que foi o primeiro a derramar o seu sangue por Cristo, na China, nasceu em Baquerín de Campos, em Palencia, Espanha, em 14 de agosto de 1607. Ele finalmente entrou no convento dominicano de São Paulo de Valladolid. Em fevereiro 1632 ele chegou em Manila, e foi ordenado para o sacerdócio. Em seguida, ele ministrou por vários anos em Cagayan de Oro, nas Filipinas.

Em 1641, no Capítulo Provincial, em Manila, ele pediu permissão para evangelizar no Celeste Império (China). Esta foi concedida e ele saiu com seu amigo, o Padre Francisco Díez, de Formosa, onde permaneceram na Casa de Todos os Santos em Jilong. Em março de 1642 cruzou a província de Fujian, onde o Padre João Garcia acolheu. Devido à perseguição, ele foi o único sacerdote dominicano na China.

São Francisco de Capillas começou o seu ministério pastoral de uma só vez, nos anos de 1644-1646, esse período é chamado de a Idade de Ouro da missão. Juntamente com o Padre Díez, ele fundou a ordem dos Leigos Dominicanos na China. Ele também converteu um grande número de chineses em todas as cidades e aldeias. Especialmente digno de nota foi a sua vida muito virtuosa e de conduta, o que lhe rendeu o amor e o respeito de todos a quem ele conheceu. Em 04 de novembro de 1646 Padre Díez morreu, assistido pelo santo gentil. No mesmo dia, os bártaros entraram na cidade, destruíram, saquearam e mataram, e com um decreto imperial de matar os missionários.

As obras apostólicas realizadas por São Francisco de Capillas foram inúmeras. Uma testemunha afirmou que “quando ele estava na estrada, ele tinha um desejo tão grande de ajudar as almas que para subir a estrada íngreme da montanha parecia mais fácil do que andar em estradas planas.”

Um ano após a morte do padre Díez, São Francisco de Capillas foi capturado. Ele tinha ido sem medo, no auge de uma revolta local para uma pequena aldeia em 13 de novembro de 1647 para administrar os sacramentos a uma pessoa doente. Após sua captura, ele foi levado com uma corda amarrada no pescoço ao tribunal mandarim. Colocado na pior prisão, ele foi submetido à tortura do esmagamento do tornozelo ao ser arrastado por todo o chão. Então ele foi açoitado e encarcerado por dois meses, condenado à morte e resistiu pacientemente às horríveis torturas infligidas contra ele.

Enquanto estava na prisão, ele escreveu: “Estou aqui com os outros presos e temos desenvolvido uma irmandade. Eles me perguntam sobre o Evangelho do Senhor. Não estou preocupado em sair daqui porque aqui eu sei que eu estou fazendo a vontade de Deus. Eles não me deixam ficar até à noite para rezar, para que eu reze na cama antes do amanhecer. Eu moro aqui com grande alegria, sem qualquer preocupação, sabendo que eu estou aqui por causa de Jesus Cristo. As pérolas que eu encontrei aqui estes dias não são sempre fáceis de encontrar.”

Em 15 de janeiro de 1648, o juiz chegou e ordenou que ele fosse açoitado novamente e colocado na guarita da muralha da cidade. Ele foi obrigado a descer da caixa, e quando assim o fez, o carrasco o decapitou, separando a cabeça do corpo com um pesado golpe da espada. Seu corpo foi jogado fora da muralha da cidade e encontrado dois meses depois. Foi preservado incorruptível por dois meses, e foi deixado intocado por um incêndio que reduziu a cinzas a casa onde seu caixão foi mantido. Das muitas relíquias de São Francisco de Capillas que tenham sido preservados, o mais importante continua a ser a cabeça, que é encontrado no convento de São Paulo de Valladolid, onde começou sua vida religiosa.

Reflexão:

“Não estou preocupado em sair daqui porque aqui eu sei que eu estou fazendo a vontade de Deus.” Essa frase de São Francisco de Capillas nos leva a um questionamento: será que realmente me deixo ser conduzido pelo Espírito de Deus?

Quando o Senhor nos convida para estarmos em sua obra, a Sua vontade vai se revelando a medida que vamos obedecendo suas ordens. São Francisco de Capillas não se preocupou em estar preso e condenado, mas regozijou por estar acima de tudo fazendo a vontade de Deus, eis um homem conduzido pelo Espírito Santo, dócil a Sua vontade.

Que São Francisco de Capillas interceda por nós para que como ele as dificuldades da vida não nos impeçam de sermos fiéis ao Senhor.

São Franciso de Capillas, rogai por nós!

Fonte: http://dominicansingapore.wordpress.com/2009/01/15/st-francis-de-capillas

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: