O Papa recebeu membros do PISAI nos 50 anos da sua fundação

Vaticano – 24/01/2015 – O Papa Francisco recebeu em audiência na manhã deste sábado 24 de janeiro os participantes no encontro do Pontifício Instituto de Estudos Árabes e Islâmicos por ocasião dos 50 anos da abertura deste Instituto em Roma. No seu discurso o Papa reconheceu antes de tudo que nos últimos anos, apesar de alguns mal-entendidos e dificuldades, houve avanços no diálogo inter-religioso, também com os fiéis do Islão, e que para tal  é fundamental o exercício da escuta.

Ela, esclareceu o Papa, não é apenas uma condição necessária num processo de recíproca compreensão e pacífica convivência, mas também um dever pedagógico, para sermos “capazes de reconhecer os valores dos outros, compreender as preocupações que subjazem às suas reivindicações e fazer aparecer as convicções comuns”.

Na base de tudo está a necessidade de uma adequada formação para que, firmes na própria identidade, se possa crescer no conhecimento recíproco, disse ainda o Papa Francisco que também advertiu para não se cair nas armadilhas do sincretismo conciliatório (mas, no final, vazio e prenúncio de um totalitarismo sem valores), uma cómoda abordagem que diz sim a tudo para evitar problemas mas que acaba por ser uma maneira de enganar o outro e negar-lhe o bem que a pessoa recebeu como um dom para partilhar generosamente. No início do diálogo está, portanto, o encontro, do qual nasce o primeiro conhecimento do outro, disse.

A este propósito o Papa recordou a história do Pontifício Instituto para os Estudos Árabes e Islâmicos dizendo que ele vai nesta mesma direcção pois não se limita a aceitar superficialmente o que é dito dando lugar a estereótipos e preconceitos mas, com o seu trabalho académico, vai investigar as fontes, preencher as lacunas, analisar a etimologia, propor uma hermenêutica do diálogo, sem nunca perder a bússola do respeito mútuo e estima recíproca.

Os 50 anos deste Instituto, disse o Papa, demonstram como a Igreja universal, no clima da renovação pós-conciliar, compreendeu a necessidade iminente de um Instituto explicitamente dedicado à pesquisa e à formação de operadores do diálogo com os muçulmanos. E talvez agora, mais do que nunca, se sente esta necessidade, porque o antídoto mais eficaz contra qualquer forma de violência é a educação à descoberta e aceitação da diferença como riqueza e fecundidade.

Esta missão não é simples, continuou o Papa, reiterando que o diálogo islâmico-cristão exige paciência e humildade que acompanham um estudo aprofundado, visto que a aproximação e a improvisação podem ser contraproducentes ou até mesmo causar desconforto e embaraço.

E o Papa terminou sublinhando a importância do Instituto e desejando que ele se torne cada vez mais um ponto de referência para a formação dos cristãos que trabalham no campo do diálogo inter-religioso, sob os auspícios da Congregação para a Educação Católica e em estreita colaboração com o Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso.

E a terminar o augúrio do Papa para que a comunidade do Instituto nunca atraiçoe a tarefa principal da escuta e do diálogo, fundado em identidades claras, a pesquisa apaixonada, paciente e rigorosa da verdade e da beleza, espalhados pelo Criador no coração de cada homem e mulher e realmente visíveis em cada expressão religiosa autêntica.

Fonte:http://pt.radiovaticana.va/news/2015/01/24/o_papa_recebeu_membros_do_pisai_nos_50_anos_da_sua_funda%C3%A7%C3%A3o_/1119857

Anúncios
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: