Papa Francisco sobre a revista Charlie Hebdo: Existe limite para a liberdade de expressão, mas matar em nome de Deus é uma aberração

Vaticano, 15 Jan. 15 / 01:47 pm (ACI).- No voo que o levou do Sri Lanka às Filipinas, no marco de sua visita a Ásia, o Papa Francisco respondeu a uma série de perguntas dos jornalista a bordo. Uma destas perguntas foi referente ao recente massacre contra caricaturistas da revista satírica francesa Charlie Hebdo.

No dia 7 de janeiro, um grupo de terroristas identificados como extremistas islâmicos ingressou com armas aos escritórios da Charlie Hebdo em Paris (França) e acabou com as vidas de 12 pessoas, entre caricaturistas e autoridades policiais.   O atentado teria sido em resposta às ofensivas caricaturas que Charlie Hebdo difundiu sobre o Islã.

Em suas distintas edições, a revista francesa se burlou ofensivamente de políticos e inclusive da Igreja Católica, de seus pastores, da Virgem Maria e da Santíssima Trindade.   Consultado sobre o caso e sua relação com a liberdade de expressão por um jornalista francês a bordo do avião, o Papa Francisco assinalou que “não se deve provocar”.  “Não se pode insultar a fé de outros. Não se pode caçoar da fé”.

Entretanto, advertiu, “não se pode matar em nome de Deus”.   “Todos nós temos não só a liberdade, mas o direito e também a obrigação de dizer o que pensamos para ajudar a construir o bem comum”, disse o Papa.   “Temos a obrigação de livremente gozar desta liberdade, mas sem ofender”.   “Matar em nome de Deus é uma aberração contra Deus. Penso que isto é o mais importante sobre a liberdade religiosa.

Pode-se praticar (cada um a sua religião) com liberdade, mas sem impor ou matar”.   Francisco disse aos jornalistas que “não se pode ofender ou fazer a guerra, matar em nome de sua religião, que é em nome de Deus”.   Mas se a liberdade de expressão é usada para ofender, advertiu, é possível que haja uma reação.

Francisco usou o exemplo do Dr. Alberto Gasbarri, o organizador das viagens papais, que estava junto dele durante a conferência de imprensa. “É verdade que ele não pode reagir violentamente. Mas, se o Dr. Gasbarri, meu grande amigo, diz algo contra minha mãe, pode esperar um golpe. É normal”. Aqueles que “giocatalizzano” ou “fazem um brinquedo da religião de outros… estão provocando”, prosseguiu.

“E o que pode acontecer é o que disse sobre o Dr. Gasbarri se disser algo sobre minha mãe. Há um limite”.   O Santo Padre reiterou que “toda religião tem dignidade, toda religião que respeita a vida humana e a pessoa humana e não pode ser caçoada. E este é um limite”.   “Eu usei este exemplo do limite para dizer que na liberdade de expressão há limites”, explicou.

Sobre a liberdade religiosa, Francisco disse que “não se pode ocultar a verdade. Todos têm o direito a praticar sua religião, sua própria religião, sem ofender, livremente. E isso é o que fazemos, é o que todos queremos fazer”.

Fonte:http://www.acidigital.com/noticias/papa-francisco-sobre-a-revista-charlie-hebdo-existe-limite-para-a-liberdade-de-expressao-mas-matar-em-nome-de-deus-e-uma-aberracao-22107/

Anúncios
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: