Cardeais refletem sobre possível unificação de dicastérios como parte da reforma da Cúria Romana

VATICANO, 12 Fev. 15 / 03:58 pm (ACI/EWTN Noticias) – Ainda não foram divulgadas as considerações finais a serem adotadas em relação à reforma da Cúria romana, uma tarefa que conta com o empenho do Papa Francisco há mais de um ano. Neste trabalho o Santo Padre é acompanhado por um grupo de nove cardeais conhecido como “C9” que analisam, refletem e estudam o que medidas tomar.

Na manhã desta terça-feira, a maioria dos integrantes do Colégio Cardinalício – 165 nesta ocasião – escutaram de primeira mão os avanços que se deram a respeito. Também tiveram tempo de discutir sobre certos aspectos e de realizar contribuições. Assim o explicou à imprensa o porta-voz da Santa Sé, Pe. Federico Lombardi, que esclareceu que 25 cardeais justificaram a sua falta a esta primeira reunião por motivos de saúde ou pela dificuldade para viajar a Roma.

Entre as propostas deste primeiro dia se encontra a de unificar os diversos dicastérios em dois grandes organismos: um que se ocupe dos leigos, família e vida; e outro que agrupe Justiça e Paz, Cor Unum (a Cáritas Vaticano), Pastoral da Saúde e Migrantes. A este segundo se somaria um novo departamento, que ainda não existe e que se ocuparia das questões relacionadas com a ecologia humana e social e o cuidado do meio ambiente.

Na manhã desta quinta-feira, o Cardeal Óscar Andrés Rodríguez Maradiaga, coordenador do “C9”, e Dom Marcello Semeraro, Secretário da Comissão, apresentaram para o Colégio Cardinalício a base das reformas. Entretanto, o Cardeal ressaltou que o Conselho de Cardeais não foi criado unicamente para reformar a Cúria, embora seja a sua tarefa principal, mas também para ajudar o Santo Padre em outros assuntos.

Entre eles, os Sínodos Extraordinário e Ordinário sobre a Família, a Comissão para a Proteção de Menores, as reformas do chamado Banco Vaticano (IOR) ou o estudo da melhora dos distintos meios de comunicação da Santa Sé. O Secretário do Conselho de Cardeais se deteve de maneira especial em esclarecer o significado teológico das possíveis mudanças e não só os seus aspectos organizacionais e de eficácia.

Na manhã houve tempo para doze intervenções. Falou-se da função da Cúria Romana e sua relação com as conferências episcopais do mundo, assim como a simplificação e racionalização da mesma. Mencionou-se também a possibilidade de uma pessoa que exerça de “moderador da Cúria”, tarefa da qual se ocuparia a Secretaria de Estado, sem necessidade de nomear alguém de fora para esta tarefa, precisou o Pe. Lombardi.

A reforma desembocará em uma nova constituição que substituirá a Pastor Bonus que estabelece o funcionamento da Cúria Romana e que foi publicada em junho de 1988 por São João Paulo II. Desde a sua publicação até hoje, esta é a constituição que rege o funcionamento dos organismos vaticanos. Embora ainda não haja nada decidido, é possível que conforme avancem os trabalhos, coloquem a prova algumas medidas experimentais para comprovar a sua eficácia até a reforma final.

Por último, o Pe. Lombardi descartou a possibilidade de que um leigo seja colocado à cabeça de alguma das Congregações já que sempre são presididas por cardeais, embora assegurou que sim é provável que se encarregue de algum outro organismo que tenha outra forma jurídica.

Anúncios
  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: