Sejam custódios da terra, diz o Papa aos agricultores

Vaticano, 02 Fev. 15 / 07:19 am (ACI/EWTN Noticias) – O Papa Francisco recebeu em audiência neste sábado pela manhã no Palácio Apostólico os dirigentes da Confederação Nacional dos Cultivadores da Itália por ocasião dos 70 anos de sua fundação e falou-lhes sobre a necessidade de custodiar a terra.

O Pontífice propôs “reencontrar o amor pela terra como ‘mãe’ -diria São Francisco- da qual nós viemos e à qual estamos chamados a voltar constantemente.” Portanto, destacou, deve-se “custodiar a terra, fazendo aliança com ela, de modo que possa continuar sendo, assim como Deus, fonte de vida para toda a família humana”.

“O nome de ‘cultivadores’ faz referência a ‘cultivar’, que é uma atividade tipicamente humana e fundamental. No trabalho dos agricultores, existe, efetivamente, o acolhimento do precioso dom da terra que nos é dada por Deus, como também a sua valorização no igualmente precioso trabalho de homens e mulheres, chamados a responder com audácia e criatividade ao mandato confiado ao homem de cultivar e custodiar a terra”.

O Santo Padre destacou que “o verbo ‘cultivar’ traz à mente o cuidado que o agricultor tem por sua terra para que frutifique e que este fruto seja compartilhado: Quanta atenção, paixão e dedicação em tudo isto!”. Francisco assegurou também que “de verdade não há humanidade sem cultivar a terra; não há vida que seja boa sem o alimento que ela produz para os homens e as mulheres de todos os continentes”. Portanto, “a agricultura mostra o seu próprio papel central”.

O trabalho de quem cultiva “se apresenta como uma verdadeira e própria vocação”, e deve ser “reconhecida e adequadamente valorizada, inclusive nas decisões políticas e econômicas concretas”, disse o Papa.

O Santo Padre explicou que “trata-se de eliminar aqueles obstáculos que penalizam uma atividade tão preciosa como esta e que, muitas vezes, a fazem parecer pouco apetecível às novas gerações”. Francisco reconheceu que ”as estatísticas registram um crescimento no número de estudantes nas escolas e nos institutos de Agronomia, o que faz prever um aumento de trabalhadores no setor agrícola”.

Mas, ao mesmo tempo, “também temos que prestar a devida atenção à já muito generalizada retirada de terras da agricultura para destiná-la a outras atividades, talvez aparentemente mais rentáveis”.

Sobre a centralidade do trabalho agrícola, o Papa comentou dois pontos críticos: “o primeiro é o da pobreza e da fome, que ainda, infelizmente, atingem uma vasta parte da humanidade”. Recordou neste ponto que “o Concílio Vaticano II recordou a destinação universal dos bens da terra, embora, na realidade o sistema econômico dominante impeça que muitos possam usufruir de tais bens”

“A absolutização das regras do mercado, uma cultura do descarte e do desperdício que no caso do alimento tem proporções inaceitáveis, junto a outros fatores, determinam miséria e sofrimento para muitas famílias”. Por isso, indicou, “deve ser profundamente repensado o sistema de produção e de distribuição do alimento. Como nos ensinaram nossos avós, com o pão não se brinca! O pão participa de certo modo da sacralidade da vida humana, e por isso não pode ser tratado somente como uma mercadoria”.

Para falar do segundo ponto crítico recordou o livro da Gênesis no qual se “fala do chamado do homem não só a cultivar a terra, mas também a protegê-la”. “As duas coisas estão estreitamente relacionadas: todo agricultor sabe bem como se tornou mais difícil cultivar a terra em um momento de mudança climática acelerada e pelos fenômenos meteorológicos extremos cada vez mais frequentes”.

“Como continuar produzindo bom alimento para a vida de todos quando a estabilidade climática está em risco, quando o ar, a água e o mesmo solo perdem a sua pureza devido à contaminação ?”, perguntou-se. “Realmente, percebemos a importância de uma ação de custódia da criação; é realmente urgente que as nações consigam colaborar nesta fundamental finalidade”.

O Papa agradeceu também “a inspiração ética que motiva e sustenta sua ação à luz da doutrina social católica” que “trouxe muitos bons frutos para toda a sociedade italiana”. “Convido-lhes a darem sempre primado às exigências éticas com as quais, como cristãos, enfrentam os problemas e desafios de suas atividades”, motivou.

Fonte:http://www.acidigital.com/noticias/sejam-custodios-da-terra-diz-o-papa-aos-agricultores-21933/

  1. Ainda sem comentários.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: